Parte IV – POR QUE MAL SE FALA DO T3 NO BRASIL???

Você deve conhecer alguém que toma T4 (Tiroxina), ou até mesmo você pode tomar há muito tempo e continuar sofrendo dos males causados pelas alterações da TIREOIDE…

Quando experimentei os benefícios do T3 (Triiodotironina) quis entender por que a maioria dos médicos, sobretudo endocrinologistas, mal fala do T3 para avaliação e tratamento de problemas da TIREOIDE, visto que esta glândula tão importante produz ambos. E quando soube que o T3 é 5 vezes mais potente e ativo que o T4 no organismo, então ficou impressionada com o informação omitida… E também entender por que conseguimos T3 bioidêntico manipulado ou no exterior, mas não no Brasil…

Eis alguns motivos:

– A indústria farmacêutica não consegue “estabilizar” o T3 a ponto de fazer com que dure anos em um comprimido ou cápsula, apresentando assim um  “prazo de validade” que obedeça ao mínimo indicado pela legislação brasileira. Como a indústria farmacêutica NÃO tem como fabricá-lo e lucrar com ele, não há interesse em sua venda através de medicamentos por ela patenteados;

– Muitos médicos são atualizados “pela indústria farmacêutica”, direta ou indiretamente: artigos entregues pelos representantes de laboratório em consultório, congressos médicos (adivinhem quem são os principais patrocinadores destes?), livros médicos (muitos “patrocinados” pela indústria citada, diretamente ou via patrocínio “dos seus autores” e suas “pesquisas”), consensos/diretrizes “oficiais” (nos bastidores, muitas vezes, quem pode estar…); ou seja, cada um assume como verdade aquilo a que tem acesso, por vias que julgue “confiáveis”… (Assunto delicadíssimo!)

– Se só as farmácias de manipulação (que podem lidar com prazos de validade BEM menores) podem manipular e lucrar com o T3, acha mesmo que a indústria farmacêutica iria falar bem dele? Mesmo que seja efetivamente BOM para vários casos, sobretudo quando boa parte dos pacientes com hipotireoidismo não converte adequadamente o T4 em T3 (assunto comprovado em estudo há muito tempo*).

Ou seja: o que já foi explicado é que a indústria farmacêutica (até em virtude de inúmeras evidências científicas internacionais, suficientes) sabe que o T3 seria útil em vários casos de hipotireoidismo (onde muitos pacientes podem até tomar quantidades altas de T4, contudo terem pouco T3 para agir no organismo, por baixa conversão, assim persistindo sintomas de hipotireoidismo). Mas, pensando apenas nos lucros com a venda do T4, há uma ação silenciosa nos bastidores para que o T3 não só seja “esquecido” mas tenha seu uso contraindicado via consensos oficiais.

Agora que já está com o olhar mais crítico da situação, o que você acha dos tratamentos que parecem condenar todos os pacientes a tomar pílulas por toda a vida?

Drª Vânia Barboza

 

Fonte: http://hipotireoidismo.net/
* R.D. HESCH, G. BRUNNER and H.D. SOLING. Conversion of Thyroxine (t4 ) and Triiodothyronine (t3 ) and the subcellular localisation of the converting enzyme. Department of Medicine, University of Gijttingen Clinica Chimica Acta, 59 (1975) 209-213.

 

Se gostou do assunto, deixe seu comentário ou depoimento. Poderá ajudar outras pessoas.

Deixar uma resposta