Alimentos NÃO Saudáveis – Parte 1

Muitas pessoas quando tomam a decisão de melhorar seus hábitos alimentares fazem a troca de vários alimentos por outros que acreditam serem mais saudáveis. Porém, informações desencontradas, aliadas a exposição da mídia, que vende muito “lixo” por “comida”, fazem com que nem sempre estas escolhas que você acha serem as melhores para a sua saúde, realmente são.

Questões culturais, tabus, estudos mal direcionados, propagandas, trazem mais confusão do que informações sobre nossa alimentação.

Um dos casos mais conhecidos e propagados é o do ovo, que já foi considerado um vilão por e hoje sabemos que é um superalimento, nutritivo e barato.

Outro alimento que continua na lista negra das pessoas é a manteiga que foi trocada pela margarina, um veneno para o nosso corpo.

Esses fatos e vários outros, me chamam a atenção. Por isso, convido você a analisar alguns desses alimentos. Na verdade, pretendo fazê-lo refletir sobre vários alimentos considerados “bons”, mas que podem estar prejudicando a sua saúde.

1) PÃO INTEGRAL

 Muitos produtos nas prateleiras vem com a promessa de que são saudáveis por serem integrais, mas cuidado para não ser enganado.

Mesmo os produtos feitos com farinha integral (assim como os com farinhas refinadas) são fontes ricas de carboidratos, considerados hoje, os verdadeiros vilões da saúde. Ainda que você coma somente pão integral, seu organismo enfrentará altos picos de glicose na corrente sanguínea, o que propicia picos elevados de insulina que termina por gerar resistência à mesma, maior chance de desenvolvimento de Diabetes Tipo II, estoque de gordura, doenças inflamatórias, além de contribuírem com poucos nutrientes.

Outro fator a ser considerado é o consumo excessivo de trigo e seus derivados, resultando em saturação do nosso organismo pelo glúten (que é a proteína do trigo e que dá a “liga” na massa do pão), ocasionando o aparecimento de tantos casos de intolerância em uma porcentagem muito grande da população; além das alergias e os casos de obesidade.

É importante lembrar que grande parte do trigo cultivado hoje é transgênico (modificado geneticamente) e, a quantidade de glúten hoje, é várias vezes maior que no trigo cultivado por nossos antepassados, e isso pode estar contribuindo para essa agressão aos nossos corpos.

 O que podemos usar como substitutos:

Farinha de coco, farinha de amêndoas, farinha de castanha de caju, inhame, cará, mandioquinha, mandioca, quinoa… em quantidades de consumo que variam conforme as necessidades específicas de cada indivíduo.

2) ALIMENTOS E BEBIDAS DIET 

Um alimento para ser considerado diet precisa ter a exclusão de algum ingrediente em relação ao produto original e são indicados para pessoas com restrições alimentares

Geralmente, excluem-se o açúcar, gordura ou sal. O mais comum é a retirada do açúcar e a adição de adoçantes artificiais que são indicados para diabéticos.

Dois motivos costumam levar alguém a escolher esse tipo de alimento:

a) Quer consumir menos calorias para perder peso ou manter.

b) A presença de alguma doença, como diabetes, por exemplo.

Alimentos diets isentos de açúcar

Estudos apontam que consumir adoçantes artificiais podem causar prejuízos à saúde

Nos Estados Unidos, por exemplo, o ciclamato de sódio e a sacarina foram relacionados ao câncer de bexiga e por esse motivo está proibido pelo FDA.

As substâncias químicas presentes nesses produtos interferem na resposta do organismo ao açúcar e causam alterações no controle do açúcar no sangue e na pressão arterial

Alguns profissionais defendem o uso de adoçantes artificiais dentro dos limites estabelecidos.

Minha posição é que se o nome já diz adoçante artificial, isso indica que o corpo não tem como reconhecê-los, por isso o corpo não pode processá-los.

As dúvidas sobre a segurança destes produtos me levam a crer no seguinte: quanto menos você utilizar melhor, pois eliminará a chance de causar qualquer malefício.

Esteja atento aos ingredientes. Caso o produto seja isento de açúcar, porém contenha maltodextrina em sua composição, significa que foi adicionado carboidrato e que ele pode ser considerado um produto com açúcar, pois assim se comportará no organismo.

Para que os diet mantenham a mesma consistência sem o açúcar, costuma-se adicionar a ele mais gordura, o que pode torná-lo ainda pior que a versão normal dependendo da gordura utilizada (a pior de todas é a gordura vegetal). Em alguns produtos, essas trocas os tornam mais calóricos.

 O que podemos usar como substitutos:

Para diabéticos: Adoçante Stevia (esporadicamente e com moderação e não é recomendado o uso em gestantes) ou Xilitol.

Mas, qualquer açúcar e adoçante deve ser utilizado esporadicamente e em pequenas quantidades.

Melhor aprender a apreciar o verdadeiro sabor dos alimentos sem depender da adição de adoçantes.

3) PIPOCA DE MICROONDAS

 Delícias carregadas de gordura trans presentes na gordura vegetal hidrogenada utilizada.

Esse é o pior tipo de gordura, pois é uma gordura artificial que tanto eleva os níveis de colesterol LDL “ruim”, quanto reduz o colesterol “bom” HDL, além de estocar gordura na região abdominal que eleva a chance de hipertensão arterial e síndrome metabólica.

 O que usar como substitutos:

A tradicional pipoca de estourar na panela, mais gostosa e saudável.

O preparo da pipoca convencional da pipoca, com muito óleo e sal refinado, fazem a má fama deste alimento.

Quando preparada corretamente é rica em nutrientes, antioxidantes e fibras, auxilia no funcionamento intestinal e gera saciedade.

Como é fonte rica também de carboidratos é importante que se evite o consumo frequente.

Na panela, dá para preparar uma versão saudável, acrescentando óleo de coco ou manteiga Ghee (ou manteiga clarificada) ou preparar ela no microondas para uma versão sem gorduras, somente com água e sal, ou também no microondas com um saco de pão sem água e sem óleo!

 RECEITA:

No microondas:

4 colheres (sopa) de milho para pipoca 3 colheres (sopa) de água

Um pouco de sal marinho integral ou sal do Himalaia

Preparo:

Coloque os ingredientes em um refratário médio a grande que seja de vidro ou cerâmica (que possa ir no microondas) e mexa para misturá-los.

Tampe o refratário com filme plástico e faça 3 furinhos pequenos com a ponta de uma faca no plástico.

Coloque no microondas por *5 a 7 minutos ou até que as pipocas estourem. Está pronta!

Outra forma é colocar o milho dentro de um saco de pão (papel cor bege), dobrar a boca 3 vezes e virar para baixo para que não abra. Ligar o microondas por *2 a 5 minutos ou até estourarem

Nesse caso, acrescente o sal em seguida com ela ainda quente.

*O tempo de cada tipo de microondas pode variar, por isso fique perto quando for prepará-las pela primeira vez para que possa desligar ou adicionar mais tempo se necessário.

4) PEITO DE PERU

 

 

Outro grande equívoco é a ideia de que peito de peru é saudável por ter baixo teor de gordura e poucas calorias. Na verdade, a quantidade de sal em alguns tipos é muito elevada, ultrapassando 1 grama a cada 4 fatias finas.

O consumo de sódio em excesso aumenta a probabilidade de hipertensão arterial e favorece o risco de AVC (Acidente Vascular Cerebral/ popularmente o derrame); assim, ainda favorece a retenção de líquidos que geram inchaço.

Muito cuidado os outros ingredientes presentes!…

Para melhor entendimento, veja a composição do Peito de Peru de duas marcas famosas.

Lista de ingredientes:

Peito de peru: peito de peru, água, proteína de soja, sal hipossódico, açúcar, sal alho, cebola, estabilizante: tripolifostado de sódio, espessante: carragena, realçador de sabor: glutamato monossódico, antioxidante: isoascorbato de sódio, conservador: nitrito de sódio, aromatizantes.

Peito de peru light: peito de peru, água, proteína de soja, sal hipossódico, açúcar, sal alho, cebola, estabilizante: tripolifostado de sódio, espessante: carragena, realçador de sabor: glutamato monossódico, antioxidante: isoascorbato de sódio, conservador: nitrito de sódio, aromatizantes.

Você acha que esses vários nomes químicos podem ser considerados saudáveis?

Peito de peru é classificado com um embutido. Para conservá-lo é utilizado uma substância considerada carcinogênica (que pode gerar câncer).

Muitas pessoas que têm enxaqueca quando o consomem (ele e outros embutidos), pois aumentam a dilatação dos vasos, ocasionando as crises, conforme alguns estudos.

Além disso, ainda recebe o acréscimo de glutamato monossódico (GMS), um realçador de sabor que também contém sódio em sua composição e seu consume tem relação direta com alterações nas funções cerebrais.

O que usar como substitutos:

O frango é um dos melhores substitutos, pois além de ser também uma excelente fonte de proteínas, pode ser comprado fresco e preparado sem adição de químicos

Para facilitar o uso no dia a dia pode ser congelado já cozido, desfiado, grelhado…

5) LEITE DE SOJA

A soja já foi considerada um grão “mágico”, pois acreditavam que ela fornecia inúmeros benefícios, mas estudos foram mostrando que o uso do grão e subprodutos não fermentados, têm mais contraindicações do que pontos positivos.

A fermentação desses grãos (ou seus produtos, como natô, missô, tempeh) é capaz de neutralizar toxinas.

Daremos destaque para os malefícios da soja não fermentada como: leite de soja, soja cozida, farinha de soja, suco de soja, além da soja embutida em muitos produtos industrializados.

A soja apresenta alto índice de fitoestrogênios, compostos similares ao estrogênio humano, hormônio que controla a ovulação e desenvolvimento das características femininas.

Pesquisas tem mostraram que o consumo frequente de soja poderá “desorganizar” seus hormônios e mostraram que crianças que consumiam leite de soja diariamente, apresentaram níveis mais altos de estrogênio no sangue, com desenvolvimento de mamas e menstruação precoce nas meninas e atraso do desenvolvimento nos meninos.

Pesquisas com animais em laboratório submetidos a uma alimentação rica em soja confirmaram este risco, pelo aumento anormal do pâncreas e alguns cânceres.

Os fitoestrogênios podem causar hipotireoidismo, pois são potentes anti-hormônios tireoideanos.

Para piorar nossa situação, no Brasil quase a totalidade da soja é transgênica e por não haver estudos suficientes sobre suas consequências, a população tem participado, silenciosamente, de uma experiência científica, enquanto os produtores deste grão lucram com o desconhecimento da população.

 Ácido fítico

A presença de índices altos de ácido fítico na soja compromete a absorção de minerais como o cálcio, magnésio, cobre, zinco e ferro.

O ácido fítico inibe enzimas digestivas, incluindo a amilase, a pepsina e a tripsina, gerando doenças carenciais.

Possivelmente, a indústria da soja pode ter influenciado as pesquisas antigas que valorizavam o consumo deste alimento como forma de garantir seus lucros.

 Soja geneticamente modificada

Quase toda a soja usada e vendida atualmente é modificada geneticamente.

Ainda não há estudos suficientes para sabermos as consequências, mas essas culturas transgênicas são mais prejudiciais para a saúde e para o meio ambiente do que podemos imaginar.

Basta ver o aumento dos números de problemas alérgicos e outras alterações imunológicas, principalmente em pessoas que usam este tipo de alimento.

Isso pode ser consequência da quantidade de herbicidas usados nas plantações de soja, que é enorme e pode gerar graves problemas de saúde.

 

Continua… Parte 2

Deixar uma resposta